Duna  #Duna #DeliDaPersy #Livro #Ficcaocientifica #editoraaleph

        É um livro de ficção científica escrito por Frank Hebert... Duna sempre foi um livro meio "lendário", vencedor dos dois principais prêmios para livros do gênero Ficção Científica, Hugo e Nebula - ele faz parte da nossa quest pessoal (como comentado por AsHaF na leitura de Neuromancer), buscamos ler todos os livros que ganharam estes dois prêmios. Não está sendo muito fácil, já que nem todos foram publicados em português, além de que agora temos uma filha pequena. Ele esteve esgotado de todas as formas em português, até a republicação dele pela editora Aleph em 2010.

        A obra original de Duna é composta por 6 livros, escritos por Frank Hebert. Após sua morte, seu filho, Brian Hebert, continuou a escrever no mesmo universo, e já foram escritos mais de 12 livros, sendo a maioria livros explicações sobre a história antes de Duna, nenhum deles tem tradução para português ainda. Eu não consegui ler os outros livros da série, apenas o primeiro mesmo, AsHaF leu o segundo e o terceiro e me contou um pouco sobre e acabei desistindo de ler. Assim como aconteceu com a série de Neuromancer, o autor deveria ter parado no primeiro livro, o primeiro é quase perfeito.

Livros de Duna (a série original de Frank Herbert):

  1. Duna (1965), publicado em 2010 pela Aleph e atualmente esgotado no fornecedor
  2. O Messias de Duna (1969), publicado em 2012 pela Aleph
  3. Os Filhos de Duna (1976), publicado em 2014 pela Aleph
  4. O Imperador-Deus de Duna (1981), não tem publicação em português ainda
  5. Os Hereges de Duna (1984), não tem publicação em português ainda
  6. As Herdeiras de Duna (1985), não tem publicação em português ainda

Fremen #Duna #DeliDaPersy #Livro #Ficcaocientifica

        A idéia do universo em Duna é muito interessante, com novas abordagens a temas comuns na ficção cientifica, mas ao mesmo tempo já conhecida e visitada. Em Duna a galáxia é controlada pelo Império que a divide entre as Casas de Nobres que fazem parte da corte, um tipo de feudalismo espacial, a temática do livro é bastante medieval em certos pontos, mas ao mesmo tempo avançado em termos de máquinas e no controle que o ser humano detém do próprio corpo. Como por exemplo, algumas pessoas são selecionadas para funcionarem como um computador de probabilidades chamados Mentat, e existe ainda a seleção artificial de genes feito pelas mulheres sem família criadas pela Irmandade Bene Gesserit, outros se modificam com o consumo de substancias especiais, como o povo do olho azul que vive no deserto em harmonia com as minhocas gigantes, chamados Fremen.

        Em Duna você acompanha a história de Paul Atreides, o jovem herdeiro da casa Atreides, o qual tem que aprender muito além de como controlar as suas posses, a lealdade de seus homens e a sua sobrevivência. O clã dos Atreides é um dos mais influentes e poderosos do império o que atrai muita inveja e medo, atentados aos membros da família são constantes. Eles recebem do imperador uma nova concessão, o planeta Arrakis, cabendo agora ao clã cuidar do planeta com o pior clima do império, mas ao mesmo tempo o planeta mais importante de todos, pois é planeta produtor do Spice Melange.  

        O item mais precioso nesse universo é a Spice Melange (um tipo de especiaria), a Casa de Nobre que mais controlar a produção ou o comércio deste produto será a mais rica e poderosa da galáxia. A história da especiaria no universo criado por Frank Hebert lembra um pouco a história do Brasil na época do auge da cana-de-açúcar, onde algumas famílias tem em cima da mesa peças de arranjos com malange para demonstrar o quão são poderosas e próximas ao imperador são. Esta especiaria é importante, pois aumenta a expectativa de vida em mais de 400 anos de quem a consome regularmente e sua capacidade mental, além de permitir a viagem interplanetária.

Arrakis#Duna #DeliDaPersy #Livro #Ficcaocientifica

          A natureza medieval do império se deve ao fato de uma grande guerra no passado entre máquinas e humanos, a Jihad Butleriana, onde dessa vez o homem venceu, fato quase inédito em ficção científica. A partir de então, é proibido existir computadores poderosos, ou máquinas que se assemelhem a inteligência artificial, em Duna essa parte da história é apenas contexto pra o livro, mas ela é contada em sua totalidade junto com outras no livro As Lendas de Duna (Esse livros não é da obra original do autor e sim de autoria do seu filho Brian Hebert, um dos 10 livros Prequel da série).

        Devido a mãe de Paul, ser uma Bene Gesserit, e dele ter nascido homem, quando pediram para ela dar a luz a uma mulher, a Irmandade acredita que ele tenha grande chance de ser o Kwisatz Haderach. O mais secreto ideal da irmandade e que seria o futuro governador da raça humana, um homem que pudesse ter os mesmos dons das Bene Gesserit e fosse ainda mais poderoso que qualquer uma delas.

        É um livro muito instigante, você não consegue parar de ler principalmente por causa das pessoas da Casa Atreides bastante virtuosas em comparação com a casa que é sua maior inimiga, a Casa Harkonnen, na minha opinião o livro só não é perfeito devidos ao final, essa parte considero spoiler. 

Então para quem não quiser saber o final do livro pare de ler aqui. O grande defeito do livro e o que faz ele não ser nota 5 para mim é o fato do primeiro livro acabar mostrando que o poder corrompe as pessoas, por mais virtuosas que elas sejam. Não sei se saber a verdadeira natureza de Lady Jessica afetou. Mas essa foi a grande lição do livro ao final que eu tirei, e eu não concordo com ela, acredito que o poder e a bondade podem conviver sim!

 

Fora as péssimas adaptações para o cinema, Duna teve alguns jogos lançados:

  • 1 Jogos de tabuleiro lançado pela Avalon Hill em 1979
  • 1 Card game lançado em 1997
  • 1 RPG Dune: Chronicles of the Imperium de 2000
  • 1 Jogo de video-game chamado Duna de 1992
  • 1 Jogo de computador chamado Duna II o qual ficou muito famosos e conhecido por sito o jogo que inventou o gênero RTS, de 1992
  • Com o sucesso de Duna II vieram os jogos Dune 2000 (de 1998), Frank Herbert's Dune (de 2001) e Emperor: Battle for Dune (2001)

Nota Geral:

Comment